A utilização de aparelhos eletrônicos é imprescindível no dia a dia. Desde os que facilitam as atividades do lar aos que são utilizados para lazer, todos precisam de eletricidade e consomem certa quantidade de energia para proporcionar conforto e facilidade.  Durante esse período de pandemia da COVID-19, o ideal para evitar disseminação da doença é permanecer em casa, entretanto, o reflexo no aumento do consumo nas residências está cada vez mais evidente.

Com a Medida Provisória 950/2020, que beneficia os clientes baixa renda cadastrados na Tarifa Social com 100% de desconto na faixa de consumo que vai até 220kWh, o recomendável é que os clientes da classe residencial baixa renda permaneçam dentro dessa faixa para obter o máximo de desconto possível. A Equatorial Piauí separou algumas dicas para uma melhor interpretação de quanto representa o consumo dos equipamentos e, o consumidor consiga ter mais economia no final do mês, sem perder o benefício.

Entenda o consumo

No Piauí, o consumidor residencial baixa renda, com consumo médio de até 220 kWh, representa 30% dos clientes da Equatorial Piauí. Assim, considerando os equipamentos mais comuns em uma residência, veja o perfil do consumo de cada aparelho para seguir dentro do limite até 220kWh.

ItemQuantidadeTempo de usokWh
Geladeira 300L130 dias35,5
Ventilador de mesa25 horas por dia18
TV 32″25 horas por dia30
Lâmpadas FC 15W55 horas por dia11,25
Ferro de passar comum14 horas por mês4
Micro sistem mediano11 hora por dia9
Ar-condicionado* 9.000 BTU’s14 horas por dia120
    
TOTAL GERAL227,75 kWh

 *Algumas residências com esse perfil possuem o aparelho

Na mesma residência, durante o isolamento social, o consumo pode chegar a (estimativa):

ItemQuantidadeTempo de usokWh
Geladeira 300L130 dias41,5
Ventilador de mesa210 horas por dia36
TV 32”210 horas por dia60
Lâmpadas FC 15W56 horas por dia13,5
Ferro de passar comum16 horas por mês6
Micro sistem mediano12 horas por dia18
Ar-condicionado 9.000 BTU’s16 horas por dia180
    
TOTAL GERAL355 kWh

Entenda o consumo de energia

A conta de energia é formada pelo valor referente ao consumo, encargos, tributos, impostos e, em alguns casos, juros, multa e parcelamento. Para o consumidor baixa renda que possui tarifa social, antes da Medida Provisória 950/2020 do Governo Federal, o valor pago no consumo de 220 kWh era, em média, R$ 149,76. Com a MP, que garante até 100% de desconto na tarifa da energia no consumo até 220 kWh, e o decreto estadual, que isenta o ICMS, o valor pago, com o mesmo consumo, cai para R$ 54,96. As iniciativas não contemplam desconto sobre o consumo que ultrapassa 220 kWh, juros, encargos, tributos, multas e parcelamentos.

“Os clientes baixa renda adimplentes e que possuem o cadastro na tarifa social têm mais economia ao final do mês. Atualmente, com a Medida Provisória do Governo Federal e com o Decreto do Governo do Estado, o consumidor terá desconto de mais de 60% na fatura”, explica Juliana Duarte, Gerente Comercial da Equatorial Piauí.

Para reduzir ainda mais o consumo

No dia a dia é possível realizar algumas ações que ajudarão a reduzir o consumo, como evitar abrir constantemente a geladeira e sempre verificar as condições das borrachas de vedação; acumular roupas para lavar e passar; reduzir o uso do ar-condicionado e utilizar o ventilador; aproveitar a luz natural durante o dia e não deixar a lâmpada ligada durante a noite e madrugada sem uso; trocar as lâmpadas comuns por lâmpadas de LED, que gastam menos energia, duram mais e iluminam melhor. 

Como comprar um aparelho novo eficiente

O consumidor para economizar na conta de energia, no momento da compra deve fazer sempre a opção pelo aparelho elétrico com a etiqueta do selo do Procel Categoria A (o selo serve de orientação aos consumidores para adquirir produtos mais eficientes), que o torna mais econômico perante os demais selos (B, C, D, E…). Durante a compra, o valor de aquisição pode custar um pouco mais caro, mas há o retorno financeiro na fatura, já que há uma economia de gastos no uso no dia a dia.