Gustavo Bebianno (PSDB), ex-ministro do governo Jair Bolsonaro e pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, morreu na madrugada deste sábado (14), aos 56 anos. Bebianno sofreu um infarto fulminante quando estava em seu sítio, em Teresópolis (RJ). A informação foi dada pelo jornal O Globo.

O ex-ministro da Secretária-Geral da Presidência foi levado ao hospital, após relatar se sentir mal por volta das 4h30, mas não resistiu.

Bebianno foi o coordenador de campanha política de Bolsonaro em 2018 e era um de seus principais aliados. No entanto, ele foi demitido do cargo de secretário-geral da presidência em fevereiro do ano passado, por desentendimentos com o presidentes e seus filhos. Ele afirmava ter alertado Bolsonaro sobre candidaturas laranjas no PSL durante as eleições, mas ele e seus filhos negavam. Porém, áudios confirmaram a versão de Bebianno.

Nascido no Rio de Janeiro, Bebianno era advogado e se aproximou de Bolsonaro ao oferecer seus serviços de defesa jurídica gratuitamente. Bebianno chegou a presidir o PSL durante o ano de 2018, quando era afiliado ao ex-partido do presidente da República. Atualmente, era afiliado do PSDB, aceitando um convite feito pelo governador de São Paulo João Doria Jr.