Ao que tudo indica, na hora de escolher qual atividade física fazer, muita gente está tendo a mesma ideia: o crossfit. O nome junta “cross”, que significa “cruzar, ultrapassar”, com “fit”, ou “em forma”. O crossfit é um treinamento que une levantamento de peso olímpico, ginástica, atletismo e outras modalidades em atividades de alta intensidade.

A modalidade, que surgiu nos Estados Unidos, no fim dos anos de 1990, vem ganhando cada vez mais espaço em Teresina. O que não faltam são academias, chamadas de boxes, voltadas para essa prática. No país, conforme dados da diretoria do CrossFit Inc., detentora da marca no Brasil, são quase 1.200 boxes. De 2009, quando foi aberta a primeira academia no país, em São Paulo, até 2013, eram 20 boxes no país. De 2013 até agora, já são quase 1.200 boxes. Um crescimento de incríveis 5.900% em seis anos.

Greg Glassman adora comparar o CrossFit com um bote salva-vidas. É assim que o inventor desse método de treinamento (e agora também empresa multimilionária) define sua criação, quase duas décadas depois do começo na Califórnia. Os náufragos dessa história, seguindo a analogia de Greg, somos todos nós, que deveríamos prestar mais atenção na forma como nos cuidamos.

Dono de 100 % da CrossFit Incorporation, Greg está no comando. Sua marca registrada nos EUA gerencia as diretrizes do método de treinamento, os eventos oficiais, como o CrossFit Games, os cursos de formação de treinadores e os direitos de uso de nome de uma crescente rede de afiliadas. Se a indústria da modalidade, segundo estimativa de 2015 da Forbes, gera US$ 4 bilhões ao ano, só a CrossFit Inc lucra US$ 42 milhões.

Em Teresina, são, pelo menos, 6 boxes filiados, garante o professor do box Teresina CrossFit, Lucas Ripardo. Para ele, ainda é possível chegar a um crescimento na quantidade de unidades em 2020, entre 10% e 20%. “Somos hoje o segundo país em número de boxes no mundo, só perdendo para os Estados Unidos”, ressalta. Mais da metade dos boxes no mundo está justamente no país que criou essa modalidade de treino. São mais de 7.000 boxes nos Estados Unidos.

Lucas explica que o nome crossfit só pode ser utilizado pelos boxes filiados à marca, que podem ser consultados no site oficial: www.crossfit.com. O profissional que deseja ter um boxe precisa fazer um curso e uma prova. As afiliadas pagam royalties à CrossFit Incorporation.

Os exercícios físicos são uma fonte necessária e maravilhosa de manutenção da saúde. A prática de crossfit se popularizou de vez aqui no Brasil e traz uma série de benefícios para o nosso corpo, inclusive maior resistência física. Os chamados exercícios funcionais ajudam a perder peso e sair definitivamente do sedentarismo.

Sobre o crescimento da prática da modalidade, o professor Lucas Ripardo pontua. “O crescimento de uma modalidade se dá pelo quão abrangente, massificadora e motivadora ela é, isso passa pelo objetivo que ela possui e desde o início, o objetivo do crossfit tem sido criar um modelo de condicionamento físico abrangente, generalizado e inclusivo, buscando desenvolver um programa mais apto a preparar os alunos para qualquer contingência física; prepará-los não apenas para o desconhecido, mas para o desconhecível.”

O CrossFit é uma atividade física que pode ser pratica por qualquer pessoa. “O treino é adaptado para cada tipo de pessoa”, acrescenta Lucas. Dentro da prática de exercício físico existem os chamados “grupos especiais”, pessoas com hipertensão, hérnia de disco, grávidas, condropatias e outras limitações físicas se enquadram nesse grupo, para essas pessoas o recomendo é sempre ter uma aprovação médica para a prática de exercício físico seja ele qual for.Lucas diz ainda que a retenção de alunos no crossfit é, em média, melhor que a das tradicionais academias de musculação. “Nas academias convencionais, o aluno paga e não vai treinar. Isso dificilmente acontece com um praticante de crossfit”, garante. Para ele, um dos atrativos da atividade é não ter rotina. “Além disso, pesa a favor do crossfit o ambiente. É um tipo de modalidade de exercício que permite fazer amizades, ter uma turma, o que contribui para que o aluno frequente os treinos”, diz.