Novas viaturas, equipamentos de uso individual, aparelhos, softwares e novas estratégias, além do trabalho em parceria com a sociedade. Essa é a realidade da Polícia Militar do Piauí, instituição que recebe uma série de investimentos do Governo do Estado para auxiliar no trabalho de policiamento ostensivo e combate ao crime na capital e no interior do estado. Como consequência, o estado registra uma queda nos índices de criminalidade.

Segundo o que aponta o Atlas Brasileiro da Violência 2019, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública pelo Instituto Nacional de Pesquisas Aplicadas (Ipea), o Piauí apresenta a menor taxa estimada de homicídios da região, tendo somado uma média de 20,9 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. Os dados são referentes ao ano de 2017. No tocante aos crimes violentos contra a vida, como os homicídios, em 2019, o Piauí já conseguiu reduzir em 10% os registros, sobretudo em Teresina.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Fábio Abreu, explica que a redução dos homicídios no Piauí é resultando de um planejamento estratégico realizado pelo Governo do Estado, focando em três pontos: uso de inteligência, ação integrada entre as polícias e mapeamento das zonas mais perigosas.

O gestor diz ainda que a expectativa é que os índices melhorem mais, já que desde 2018 o Estado está executando o Plano Estadual de Segurança Pública, com estratégias mais específicas. “De 2015 até o ano passado, estamos trabalho de forma emergencial para reduzir a violência. E hoje temos um plano definitivo e em cima dele vamos ter mais êxito”, finalizou Fábio Abreu.

Taxa de homicídios em 2017
UF – Taxa (morte por cem mil habitantes)

Piauí – 19,4
Rio Grande do Norte – 62,8
Ceará – 60,2
Média Brasil – 31,6

Fonte: Atlas da Violência

Investimentos em equipamentos

Este ano, a PM recebeu 12 novas viaturas, sendo que cinco delas foram direcionadas à capital: uma para o Comandando-Geral; uma para o 6º Batalhão; uma para a 2ª Companhia Independente de Polícia Militar, localizada no Promorar; uma para o Batalhão de Operações Especiais; e uma para o 17º Batalhão. As demais foram distribuídas por unidades do interior do estado: uma para o Comando de Policiamento do Semiárido; uma para o 3º Batalhão, localizado em Floriano; uma para o 4º Batalhão, localizado em Picos; uma para o 11º Batalhão, em São Raimundo Nonato; uma para o 16º Batalhão, em José de Freitas; e duas para o 18º Batalhão, em Água Branca, na qual os carros foram direcionados às cidades de Amarante e Monsenhor Gil, que fazem parte da área do Batalhão.

Viaturas entregues à PM (Reprodução TV CCom)

Segundo o capitão Fábio Soares, coordenador de Policiamento da PM, as viaturas são essenciais para o acesso às diversas áreas e realidades, onde poderão ser mais facilmente policiadas com um veículo mais alto. “O nosso serviço de rádio patrulhamento motorizado é o carro-chefe do batalhão em termo de prestação de serviço à comunidade. As viaturas têm uma grande capacidade de chegar a diversos lugares por 24h, trabalho feito em conjunto ao uso das motocicletas. Então, cada viatura que chega é um auxílio a mais que recebemos no combate à criminalidade. Receber uma viatura aberta para nós é muito importante e necessário, já que quando fazemos operações de apreensão e recuperação de motos roubadas, precisamos colocá-las na carroceria e esse carro só vem auxiliar nesse transporte”, disse o militar.

Para o tenente-coronel Menezes, o incremento de novas viaturas no policiamento ostensivo na área de responsabilidade dele, assim como em toda a capital, combinado com estratégias do comando geral, trouxe a possibilidade de fazer um trabalho mais próximo à comunidade. “As viaturas contribuem no sentido de que elas estão presentes no policiamento ostensivo. Essa aproximação com a comunidade também foi fundamental no policiamento aqui na zona sul. A partir dessa relação, é possível ocorrer o policiamento preventivo”, ressalta o comandante do 6º Batalhão.

Tecnologia a serviço da segurança e da comunidade

Além das novas viaturas, a PM do Piauí conta ainda com grupos de WhatsApp e o projeto PMPI Mobile, com objetivo de agilizar trabalho desenvolvido, no qual o policial pode fazer o atendimento na própria viatura, durante uma ocorrência, fazendo um Boletim de Ocorrência (BO) e o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), sem que seja necessário o deslocamento para um distrito. O novo software está sendo utilizado inicialmente na capital, com 141 tablets e impressoras embarcados nas viaturas das equipes e, posteriormente, será expandido para outros municípios.

“A ferramenta mobile e essa interação com a comunidade, por meio de reuniões, principalmente na criação de grupos de WhatsApp, tem trazido uma maior tranquilidade. A sociedade pede à Polícia Militar nos grupos de WhatsApp dos bairros da região, no qual há um monitoramento desses grupos 24h por agentes, que veem os pedidos e denúncias e encaminham imediatamente, ou seja, é uma nova porta além do 190 e está funcionando muito bem. A sociedade está satisfeita com o atendimento das ocorrências. O tablet faz a comunicação da Central de Operações Policiais Militares (Copom) com as viaturas, que informam as ocorrências em tempo real, com localização e grau de risco”, frisa o comandante Menezes.

Ascânio Sávio é morador do bairro Saci, na zona sul de Teresina, há 23 anos. O líder comunitário vive na região que faz parte da área de atuação do 6º Batalhão. Ele conta que a interação da Polícia Militar com a comunidade tem feito a diferença na diminuição da criminalidade no bairro. “O 6º Batalhão está se destacando por sua atuação, destaque para o coronel Menezes, que tem feito um trabalho positivo, por meio do aplicativo WhatsApp, interagindo com a comunidade, além disso a equipe faz reuniões com os moradores. Um exemplo foi durante a Copa, que é tradicional a festa no Saci e a polícia estava presente, trabalhando diuturnamente com monitoramento constante. E é isso que nós queremos, que as tecnologias sejam usadas para o bem da sociedade”, afirma o morador.

O capitão Fábio Soares reitera que a tecnologia tem auxiliado no trabalho da polícia. “Podemos dizer que ela otimiza o trabalho. Os nossos homens e mulheres passaram por treinamentos, estão preparados para recebermos de braços abertos essa nova tecnologia mobile, que vai dar celeridade ao serviço e diminuir o tempo-resposta”, completa o coordenador.

Capitão Fábio Soares, coordenador de Policiamento da PM (Reprodução TV CCom)

Ruth Matos, também moradora do bairro Saci, fala sobre a relação com a equipe de policiamento que atende a região. “Nós sempre tivemos uma boa relação com a PM aqui no nosso bairro. Todos os que passaram pelo comando sempre deram apoio, mas nessa gestão notamos o quanto melhorou com o grupo no WhatsApp que ele criou na época da Copa do Mundo, aí só melhorou a relação. Foi uma ideia da comunidade, falamos com o comandante e a proposta foi bem aceita. Outras comunidades já usam essa ferramenta”, conta a teresinense.

A moradora acrescenta que o atendimento da PM na região se dá em tempo hábil. “No momento que precisamos, em qualquer intercorrência que tenha, na mesma hora a polícia está presente. Em questão de segundos o atendimento já aciona os policiais que estão na rua, diz onde é o quadrante e eles vem logo chegam ao local”, conta Ruth.

Ruth Matos, moradora do bairro Saci (Reprodução TV CCom)

De acordo com Ascânio Sávio, para além dos equipamentos, o tratamento humanizado e o compromisso das equipes junto à população tornam o serviço da PM do Piauí de excelência. “Equipamentos são importantes, mas é importante também o profissional. Os nossos policiais militares são arrojados e estão realmente presentes nas ruas, trabalham pela sociedade com compromisso com a população. Com essas novas viaturas já podemos ver que melhorou o atendimento. Estamos com mais de 200 dias sem crimes contra a vida aqui, o que torna o comando do Saci uma referência para outros comandos, porque quando se coloca a sociedade junto com a polícia, trabalhando juntas, a realidade melhora. É um dever de cada cidadão participar e ajudar no combate ao crime”, acrescenta o morador do bairro Saci.

Resposta da população

Os resultados dos investimentos em novos incrementos e estratégias de trabalho já se mostram positivos, é o que destaca o capitão Fábio Soares. “Nossa área hoje tem uma cobertura total e a aceitação da comunidade é grande. Quando fazemos uma parada estratégica, ação que fazemos diariamente, em um ponto indicado pela própria população, as pessoas elogiam o nosso trabalho e pedem que voltemos outras vezes. Essas estratégias dificultam ações de meliantes nessas áreas. Então, saber que o nosso trabalho está sendo reconhecido pela população nos traz uma satisfação muito grande”, comemora o coordenador de Policiamento da PM.
“A comunidade colabora para que os resultados sejam positivos, uma parceria que vem dando certo. Criamos o Cartão Programa, um documento sugerido pela população, no qual ela cita os locais mais vulneráveis a ocorrências, assim, fazemos um planejamento de rondas nesses locais estratégicos”, diz o tenente-coronel Menezes.

“Fazemos reuniões periódicas sempre que a sociedade nos chama ou sempre que vemos a necessidade da presença da polícia para discutir as questões sociais e temos uma receptividade muito boa. Então, o batalhão está aberto às comunidades, aos líderes comunitários, que são muito participativos. Tudo isso foi materializado com uma meta que conseguimos alcançar: 222 dias sem homicídios na área do 6º Batalhão. Todas essas ações e investimentos resultam em índices menores de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLI), que estão reduzidos em relação à região nordeste, isso é motivo para comemoração, porque estamos conseguindo, com êxito, combater o crime que mais assusta a sociedade, que é o homicídio”, ressalta o comandante do 6º Batalhão.

Viaturas usadas no reforço do policiamento (Reprodução TV CCom)
Autoria: Marília Andrade